segunda-feira, 28 de março de 2011

01 mês a-pós



01 mês após as filmagens e estou aqui para  lhes dar notícias.

O início do fim se aproxima. Começaremos a montar Joelma no próximo fim de semana. Tento controlar uma ansiedade que começa a surgir...

A partir de agora, algumas das postagens serão direcionadas para mostrar um pouco da história de Joelma. E para você entendê-la melhor, começaremos pelo início.

Nossa Joelma (Fábio Vidal), cansada de apanhar do pai, aos 18 anos, se despede da mãe Janaína (Eddy Veríssimo) e vai embora para Salvador. É a última vez que se vêem. Janaína sente uma angústia profunda, pede para o filho perdoar o pai e vê sua única fonte de inspiração de atitude, ir embora, calando-se assim, para sempre.

Joelma enxerga esta como única alternativa de sobrevivência e vai embora dizendo à mãe para não se preocupar com ela, pois está indo em busca do sonho de se tornar uma mulher e não se cansará até conseguir. 

E o que está por vir, só na próxima sequência.


Foto: Mariane Lima

domingo, 20 de março de 2011

Ética X Estética

Um dos maiores entraves, quando se trata de adaptação, é a fidelidade dos fatos. Não aconselho isso a ninguém. Desde o princípio, antes de Joelma se tornar luz, questionava a ética de abordar ao máximo a verdadeira história, em contraponto à estética de construir outra, que se baseia em elementos e fatos possíveis. Joelma vai se surpreender com o resultado. Sendo otimista.

Falando nela, fui muito bem recebido em sua casa, nesta última semana. Conversamos sobre o filme novamente, ela viu fotos, riu, adorou algumas imagens, chorou, e disse que até entrevista à rádio, já cedeu.

Segundo os comentários, a cidade acredita que Joelma ficará milionária. Bobinhos, se soubessem que cinema e capitalismo só rimam nos Estados Unidos. E que para se tornar “indústria” é preciso muito mais que promover editais... Vamos deixar de rimar que essa brincadeira vai pegar.

A paciência nunca foi meu forte, mas depois de muito tempo de espera, ou você se acostuma ao processo ou vai buscar melhorias. Meu perfil nunca foi o de ficar parado. Então, as próximas semanas serão de reuniões para definirmos montagem, finalização, divulgação, lançamento e demais assuntos pertinentes. Prometemos também deixar o suspense de lado e postar imagens dos atores em cena.

Por enquanto, seguimos entre a cruz e a crucificação. Porque ficar parado, não dá não!

Foto: Marie Thauront

sábado, 5 de março de 2011

Bom carnaval e até a ilha de edição!

Em Ipiaú, Joelma parou o trânsito, literalmente. Cidade de curiosos, seus moradores acordaram cedo para acompanhar nossas externas. A notícia se espalhou no boca a boca e nas rádios, assim como foi na noite do crime. Hoje, com a internet, elas pipocaram. Alguns acreditaram ser a própria Joelma e outros ficaram impressionados com tamanha verossimilhança.

Depois de um dia intenso, voltamos a Salvador para mais quatro dias de filmagem. E chegamos ao último dia: a cena da Boate. Joelma deu show! Diversas imagens ficaram registradas em nossa memória durante todo o processo. A base vai fazer falta e o set também. Aproximadamente 30 pessoas envolvidas na equipe, e um elenco com cerca de 100 intérpretes (principal, secundário e figuração), delimitavam a passagem da luz e da sombra, sem limitar as possibilidades de perspectivas sobre elas.

Já falei do andamento do trabalho dos departamentos, em post anterior, mas reitero a afirmativa, pois fiquei muito impressionado com a qualidade e profissionalismo de todos. Gratificava-me entrar nas locações e me sentir no cenário de toda aquela história; observar a fotografia desenhando cada plano, valorizando toda a concepção de arte envolvida, com textura, luz, sombra nos objetos certos; o figuro em sintonia com a personagem, mostrando toda a personalidade da protagonista; sonorização captando o direto e o indireto, mostrando que é fundamental na criação de imagens mentais; a maquiagem característica de Joelma, que com sua utilização na intensidade e momento corretos torna-se parte da criação dos diversos signos existentes no filme; e um elenco que adentrou nos personagens, procurando ter a certeza do terreno onde pisava a ponto de ter a capacidade de improvisar e dar ainda mais intensidade à cena.

Como o que nos interessa é a imagem (e o som), a foto representa o trabalho da equipe e a satisfação por meio do riso estampado de todos. Da esquerda para a direita, de cima para baixo: Jero Soffer (Diretor de Fotografia), Dedeco Macedo (Assistente de Direção), Clarissa Rebouças (Continuísta), Marie Thauront (Maquiagem), Edson Bastos (Direção), Diana Moreira (Figurino), Fábio Vidal (Joelma), Renata Hasselman (Diretora de Produção), Tiago Ribeiro (2º Assistente de Arte), Luis Parras (Diretor de Arte), Paula Damasceno (Pesquisa e Produção de Objetos), Cristiane Santana (Produção e Produção Local em Ipiaú), Filipe Ratz (Gaffer), Gabriel Trajano (1º Assistente de Câmera), Agnes Cajaíba (2º Assistente de Câmera), Daniel Olavo (Maquinário), Pedro Garcia (Microfonista), Simone Dourado (Som Direto), Camilo Fróes (Produção e Preparação de Elenco), Renata Nascimento (Estagiária de Arte), Henrique Filho (Making-of), Mariane Lima (Assistente de Figurino).

Aos que são Joelma e não estão na foto: Fernanda Bezerra (Produção Executiva - apoios e parcerias); Luara Dal Chiavon (Assistente de Produção); Maria Monteiro (Produção de Locação); Fábio Jesus (Maquinário); Sofia Brown (Assistente de Arte); Teadolino Ripa (Pintor de Set); Paulo Batistela – Nietzsche (Cenotécnico); Romildo Alves (Bido) e Didico (Assistente de Cenotécnico); Nicolas Hallet (Som Direto).

A todos os atores: Eddy Veríssimo (Janaína); Rui Manthur (Antônio), Vinício de Oliveira (João) e a todos os figurantes, (que são muitos) e que prometo citar todos os nomes assim que conseguir organizar por ordem alfabética.

A todos que ajudaram e tem ajudado de alguma forma.

A Joelma!

E sem esquecer Elisabete (no papel de Rosemary), que estava sempre atenta a tudo e todos.

Muito obrigado a todos por confiarem no projeto e por se dedicarem tanto em prol de toda essa mentira. Vocês são os culpados!

Bom carnaval a tod@s e até a ilha de edição.